As semelhanças com o esporte convencional são muitas, mas existe a chamada regra dos dois quiques, que determina que o atleta cadeirante precisa mandar a bola para o outro lado antes que ela toque no chão pela terceira vez. As cadeiras utilizadas também são esportivas, com rodas adaptadas para um melhor equilíbrio e mobilidade. Não há diferença em relação às raquetes e às bolas. No Brasil, a modalidade é administrada pela Confederação Brasileira de Tênis (CBTênis).

Classificação Funcional

O único requisito para que uma pessoa possa competir em cadeira de rodas é ter sido medicamente diagnosticada com uma deficiência relacionada à locomoção, ou seja, deve ter total ou substancial perda funcional de uma ou mais partes extremas do corpo. Se como resultado dessa limitação funcional a pessoa for incapaz de participar de competições de tênis convencionais (para pessoas sem deficiência física), deslocando-se na quadra com velocidade adequada, estará credenciada para participar dos torneios de tênis para cadeirantes.

Open ou Aberta

Atletas diagnosticados obrigatoriamente com alguma deficiência nos membros inferiores.

Quad ou Tetra

Atletas com deficiência em três ou mais extremidades do corpo.

Mais Informações

Você pode obter mais informações como, por exemplo, relatórios técnicos e lista dos medalhistas no site do Comitê Paralímpico Brasileiro.

Sociedade Amigos do Deficiente Físico do RN
Av. Jerônimo Câmara, S/N. Caic Lagoa Nova.
CEP 59060-300. Natal/RN
 84-3027-1834  84-98897-1834  
 08h às 18h Segunda a Quinta
 08h às 17h Sexta

Patrocínio

Apoio